Funcionários da Boeing zombam da FAA e dos ‘palhaços’ que projetaram o 737 MAX

Segundo reportagem do Chicago Tribune e de outros grandes jornais, a Boeing lamentou as comunicações embaraçosas enviadas aos investigadores, que incluíram um comentário de que “este avião é projetado por palhaços, que por sua vez são supervisionados por macacos”.

Em outro trecho: “Você colocaria sua família em uma aeronave treinada no simulador do MAX? Eu não”, disse um funcionário a um colega em outra troca a partir de 2018, antes do primeiro acidente. “Não”, respondeu o colega.

Boeing 737 MAX

Zombando de todos

Os funcionários da Boeing zombaram das regras federais, falaram sobre enganar os reguladores e brincaram sobre possíveis falhas no 737 MAX enquanto ele estava sendo desenvolvido, de acordo com mais de cem páginas de mensagens internas entregues recentemente a investigadores do congresso.

“Ainda não fui perdoado por Deus pelo encobrimento que fiz no ano passado”, disse um dos funcionários em mensagens de 2018, aparentemente em referência a interações com a Administração Federal de Aviação.

As mensagens mais prejudiciais incluem conversas entre pilotos da Boeing e outros funcionários sobre problemas de software e outros problemas com simuladores de voo para o MAX, um avião posteriormente envolvido em dois acidentes, no final de 2018 e início de 2019, que mataram 346 pessoas e jogaram a empresa no caos.

Os funcionários parecem discutir os casos em que a empresa ocultou esses problemas da FAA durante a certificação do regulador pelos simuladores, que foram usados ​​no desenvolvimento do avião, bem como no treinamento de pilotos que não haviam pilotado um 737 anteriormente.

Em outro conjunto de mensagens, os funcionários questionaram o design e até denegriram seus próprios colegas. “Este avião é projetado por palhaços, que por sua vez são supervisionados por macacos”, escreveu um funcionário em uma troca de 2017.

Mais um episódio

O lançamento das comunicações – e-mails e mensagens instantâneas – é o mais recente episódio embaraçoso para a Boeing em uma crise que custou bilhões de dólares à empresa e causou estragos na indústria da aviação em todo o mundo. O MAX já está de castigo por quase 10 meses e um sistema de software desenvolvido para o avião teve participação nos dois acidentes e, desde então, a empresa trabalha para atualizá-lo.

Ainda não há indicação de quando o Max pode ser liberado para voar novamente, pois a empresa e os reguladores continuam descobrindo novas falhas em potencial com o avião.

Boeing 737 MAX

As mensagens ameaçam complicar ainda mais o tenso relacionamento da Boeing com a FAA. A empresa e a agência indicaram na quinta-feira que as mensagens não suscitavam novas preocupações de segurança, mas ecoavam as comunicações internas preocupantes entre os funcionários da Boeing que foram divulgadas anteriormente.

Em vários casos, os funcionários da Boeing insultaram os funcionários da FAA que revisavam o avião. Em uma troca de 2015, um funcionário da Boeing disse que a apresentação que a empresa fez à FAA era tão complicada que, para os funcionários da agência e até para ele mesmo, “era como cachorros assistindo TV”.

Pouco treinamento

Vários funcionários da Boeing pareciam focados em limitar a quantidade de treinamento para as tripulações das companhias aéreas, o que foi comemorado como uma vitória significativa para a Boeing, e que beneficiaria a empresa financeiramente. No desenvolvimento do MAX, a Boeing prometeu oferecer à Southwest um desconto de US$ 1 milhão por avião, se os reguladores precisassem de treinamento em simulador.

Em um e-mail de agosto de 2016, um funcionário de marketing da empresa aplaudiu a notícia de que os reguladores haviam aprovado um breve treinamento em computador para pilotos que pilotavam o 737 NG, o antecessor do MAX, em vez de exigir um programa completo para a nova aeronave.

“Você pode ficar longe de um NG por 30 anos e ainda conseguir entrar no MAX? ADORO!! ”, diz o funcionário, seguindo mais tarde com um e-mail notando: “Essa é uma grande parte da estrutura de custos operacionais em nossas apresentações de marketing”.

Exigir treinamento em simulador pode ser caro para as companhias aéreas e mesmo após os acidentes, a Boeing disse à FAA que não era necessário. Não era até terça-feira passada, quando a Boeing disse que recomendaria treinamento em simulador para pilotos que voam no Max.

Leite derramado

A Boeing na quinta-feira lamentou as mensagens. “Essas comunicações contêm linguagem provocativa e, em certos casos, levantam questões sobre as interações da Boeing com a FAA em relação com o processo de qualificação do simulador”, disse a empresa em comunicado ao Congresso. “Após analisar cuidadosamente o problema, estamos confiantes de que todos os simuladores da Boeing MAX estão funcionando de maneira eficaz agora”.

“Lamentamos o conteúdo dessas comunicações e pedimos desculpas à FAA, ao Congresso, a nossos clientes de companhias aéreas e ao público por eles”, acrescentou a Boeing. “O idioma usado nessas comunicações e alguns dos sentimentos que eles expressam são inconsistentes com os valores da Boeing, e a empresa está tomando as medidas apropriadas em resposta. Isso acabará por incluir ações disciplinares ou outras ações de pessoal, uma vez que as revisões necessárias sejam concluídas.

Não há novos riscos, segundo a FAA

Lynn Lunsford, porta-voz da FAA, disse em comunicado que as mensagens não revelam novos riscos à segurança. “Ao revisar os registros do simulador específico mencionado nos documentos, a agência determinou que o equipamento foi avaliado e qualificado três vezes nos últimos seis meses”, disse Lunsford. “Quaisquer possíveis deficiências de segurança identificadas nos documentos foram tratadas.”

Lunsford acrescentou que “embora o tom e o conteúdo de alguns dos termos contidos nos documentos sejam decepcionantes, a FAA continua focada em seguir um processo completo para devolver o Boeing 737 Max ao serviço de passageiros”.

O relacionamento entre a Boeing e a FAA tem sido um fator complicador para a empresa, pois trabalha para convencer os reguladores internacionais de que o MAX está pronto para voar. No mês passado, a Boeing demitiu seu executivo-chefe , Dennis A. Muilenburg, cujas projeções otimistas sobre o retorno do avião ao serviço criaram uma brecha com o regulador.

No ano passado, a Boeing divulgou mensagens internas de 2016, nas quais um dos principais pilotos que trabalhava no avião disse a um colega que estava com problemas para controlar o 737 MAX em um simulador de voo e acreditava ter enganado a FAA.

Read More

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui