PF prende ex-senador em investigação sobre suspeita de caixa 2 do governador do Pará

Luiz Otávio Campos foi o intermediário de pagamentos feitos pela Odebrecht à campanha de Helder Barbalho (MDB) em 2014. Não há mandados contra o governador. O governo do Pará ainda não se manifestou. O G1 não conseguiu contato com a defesa de Campos

Ex senador do Pará pelo PMDB Luiz Otávio Campos — Foto: Roosewelt Pinheiro/Ag. Senado

Ex senador do Pará pelo PMDB Luiz Otávio Campos — Foto: Roosewelt Pinheiro/Ag. Senado

Ex senador do Pará pelo PMDB Luiz Otávio Campos — Foto: Roosewelt Pinheiro/Ag. Senado

A Polícia Federal prendeu na manhã desta quinta-feira (9) o ex-senador Luiz Otávio Campos (MDB), do Pará, numa investigação sobre suspeita de caixa 2 na campanha de 2014 do atual governador do estado, Helder Barbalho (MDB). Helder não é alvo de mandados na operação.

Segundo as investigações, Campos é suspeito de intermediar um repasse não contabilizado de R$ 1,5 milhão da Odebrecht para a campanha de Helder.

Campos já foi deputado estadual no Pará. Ele exerceu o cargo de senador pelo então PMDB entre 1998 e 2006. Como senador, foi líder do partido no Senado. Ele também é empresário do ramo de navegação marítima e fluvial. Luiz Otávio já foi alvo de outra operação da PF, em 2017, investigado por propina na construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte.

O G1 mandou um e-mail para o governo do Pará às 8h40 mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem. A reportagem também tenta contato com Campos.

PF cumpre mandados em desdobramento da Lava Jato

PF cumpre mandados em desdobramento da Lava Jato

Além de Campos, a PF tenta cumprir mandado de prisão contra outro investigado, no Tocantins, e 6 mandados de busca (3 no Pará, 1 no Tocantins e 2 no Distrito Federal). Os agentes procuram documentos e suspeitos ligados a um desdobramento das investigações da Lava Jato.

A investigação teve início a partir da colaboração premiada feita por dois executivos da empresa Odebrecht na Operação Lava Jato. Eles relataram que a campanha de Helder em 2014 recebeu R$ 1,5 milhão em três repasses da empresa e tudo teria sido intermediado por Campos.

Segundo o depoimento dos executivos, os repasses foram realizados nos meses de setembro e outubro de 2014. Os crimes investigados pela operação são falsidade ideológica eleitoral, que é o crime do caixa dois, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

Newsletter G1Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.

Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.

Read More

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui